Democracia Directa – Visão Cristã

Segundo a graça de Deus que me foi dada, eu, como sábio arquitecto, assentei o alicerce, mas outro edifica sobre ele. Mas veja cada um como edifica, pois ninguém pode pôr um alicerce diferente do que já foi posto: Jesus Cristo. (ICoríntios 3, 10-11)

A revolta do ‘pronetariado’. / The rise of ‘pronetarians’.

(Read this post in English down bellow.)

O livro para descarregar

O livro para descarregar

“É imprescindível que os pronetários[1] que se preocupam com o respeito pela democracia se reunam e organizem um movimento conjunto para reformar o media system[2]. Este, evidentemente nascido da concentração dos infocapitalistas[3], sente-se ameaçado pela subida dos meios de comunicação social das massas. Será difícil reequilibrar o importante controle exercido pelos grandes grupos de comunicação. Quanto mais [este reequilíbrio] se materializar, mais dura será a luta. O essencial, como dizem McChesney e Nichols, e também Gilmour, é que o público, quer dizer, os pronetários, tome progressivamente consciência que é possível uma outra via. Que podem ser iniciadas acções para mudar o media system. Daí a importância que tem a influência crecente dos blogues, dos jornais cidadãos participativos e de todas as iniciativas de criação colaborativa e de difusão em rede de informação. Parafraseando a célebre fórmula de Karl Liebknecht, «Proletários de todo o mundo, uni-vos!» conviria doravante dizer: Pronetários de todo o mundo, uni-vos.”
J. de Rosnay & C. Revelli, La Révolte du Pronétariat, ed. Fayard, 2006 (p. 27-28, m/ tradução expedita)

[1] Pronetário ou pronetariado (do grego pro, diante de, antes, mas também favorável a, e net, do inglês, que significa rede e também é a designação abreviada de internet) são novas palavras que J. de Rosnay utiliza neste livro para designar “uma nova classe de utilizadores das redes digitais, capazes de produzir, transmitir e vender conteúdos digitais não proprietários apoiando-se nos princípios da «nova economia clássica»”.

[2] Media system é a expressão usada por Robert W. McChesney e John Nichols no livro Our Media, Not Theirs – The Democratic Struggle Against Corporate Media (Seven Stories Press, 2002) para designar o esquema lucrativo actual das grandes empresas de comunicação social que funciona integrando o jornalismo numa «máquina de marketing» baseada na concentração dos media, na propriedade dos conteúdos e na confiança indiscutida nas fontes oficiais suportadas pela esfera política dominante.

[3] Infocapitalista é outra nova palavra que J. de Rosnay utiliza para designar “os detentores dos meios de criação, de produção e de difusão de conteúdos informativos ditos «proprietários» (sob copyrights, direitos de transmissão…) geralmente em formato digital”.

Nota aos editores: Este livro é essencial para compreender a profunda mudança que está a acontecer na comunicação social por todo o mundo e está escrito numa linguagem acessível a qualquer pessoa sem grandes conhecimentos do assunto. Este livro não está traduzido para português e encontra-se sob licença Creative Commons, o que constitui uma excelente oportunidade de publicação para qualquer pequeno editor em Portugal. Fico à disposição para fazer a tradução do livro para português.

***

Pronetarians[1] who are interested in supporting democracy must come together as a group to reform the media system[2], which perceives them as threats mainly because its fabric was woven by the infocapitalists[3]. Balancing the massive influence and control of established mass media seems like a challenge and intense battles lie ahead. The public’s, and hence the pronetarians’, awareness that there are alternatives to the current monopoly of infocapitalists is a key factor in this evolution to come. The public must become aware that deliberate action to evolve towards a more open media system. The role of blogs, grassroots journalism and of collaborative creation online is crucial in this process. To paraphrase the famous call of Karl Liebknecht, it seems that today there is a clear call for action: Pronetarians of all countries unite!”
J. de Rosnay & C. Revelli, La Révolte du Pronétariat, ed. Fayard, 2006 (as in Ch.1, sub. Blogs and…, translation by Alex Pap.)

[1] Pronetarians or Pronetariat (from the Greek pro, in front, before, but also favourable to, and net, the abbreviation for internet) are new words that J. de Rosnay uses to “refer to a new class of users and digital networks who are able to create, produce, broadcast and sell open (or non-proprietary) digital content by applying the principles of the new new economy [new classical economics]”.

[2] Media system is the expression used by R. W. McChesney and J. Nichols on their book Our Media, Not Theirs – The Democratic Struggle Against Corporate Media (Seven
Stories Press, 2002) to name the profit scheme used nowadays by the big corporations that control mass media, putting journalism inside a «marketing machine» that concentrates different media, copyrights information contents, and does not question the official sources, supported by the political dominant sphere.

[3]Infocapitalist is another new word J. de Rosnay uses to designate “the current owners of means of creation, production and distribution of proprietary informational assets that are protected by copyright, licensing schemes…”.

Anúncios

Filed under: cidadania, democracia, livros, traduções, , , , , , , , ,

The perfect Rule of Law is the Kingdom of God. / O perfeito Estado de Direito é o Reino de Deus.

(Leia este texto em português mais abaixo.)

Clik to read

Clik to read

Can the law be a shaping force in democratic societies?

The rule of law or nomocracy is, indeed, the shaping force of a democratic society. How would it be possible for a people to rule itself without a set of rules?
The rule of law is what legitimates democracy, although “legitimacy, in and of itself, may be associated with many forms of political organization, including oppressive ones” (S. M. Lipset, Political Man, Ch. 3). “We are all servants of the laws in order that we may be free.” (Cicero). Socrates died because of his “love” for the law (see here – or, better, read his dialogue with Crito).
However, the law can be unjust, and one may have to disobey it or fight it for that same reason (as Henry Thoreau asserted). Even then one must have a law, some law, in order to disobey it.

No community, society or nation can exist and survive without a set of rules or laws. On ants and bees, God inscribed those rules on their DNA. To mankind He gave freedom of choice, so human groups must agree on a set of rules (or live like a pack of wolfs under the rule of the strongest).
When you have a people with a set of fair laws to rule them, there you have a democracy. Democracy can take many forms (participatory, deliberative, delegative, direct, …) but the world today uses only the most disjunctive of them all, the party system democracy (which reduces the participation of the majority of the people to vote every 4 or 5 years on individuals they don’t even know).
In order to be instruments of justice (personal, social, economical, etc.) laws must fulfill some fundamental conditions, the 3 most basic being, I assert, these laws to be simple, few and of universal use  (as I explain here – only in Portuguese, sorry no time to translate).

Can an ignorant people rule in democracy?

The answer is, it cannot. Here is where education comes in. First, the people must be aware of their laws or at least the culture and traditions that support these laws. Second, the people must know how, and be ready to, change the laws that are no longer useful, and to create new laws that are needed to face new conditions and challenges.
And how can the people know their laws and traditions? By doing (with the necessary adaptations to the present time) what the Hebrews did when they were allowed to get back to Jerusalem after the Persian captivity, as is described in the books of Ezra-Nehemiah, and that is asking one of their leaders (Ezra) to bring the book of the law and tradition (the Torah) to their assembly and read it publicly.

Would it really be possible for a contemporary nation, or nations, to use (the law in) the Bible as a model of education?

And the answer is, most probably, no. Not by the written texts, which are impregnated by a certain culture of a certain place and time.
But, what if these texts, these laws, have been impersonated and can so be demonstrated by a Master? To answer this question, let us use, for example, the story of the encounter of the young Xenophon with Socrates, the philosopher, as told by Diogenes. Xenophon was an unemotional and beautiful young Athenian. One day Socrates met him in a narrow corridor and barred him the way with the rod. He asked the young man where could there be found the important things in life. Xenophon answered. Immediately the old philosopher asked if Xenophon knew where the good people was made and caused him confusion. Then, the Master philosopher told to the young Xenophon: “Come with me and you will learn it” – and he followed Socrates becoming his disciple.

It is through following the Master Jesus Christ, the impersonated wisdom so to say, that a man, a nation, all the nations will be able to use the laws in the Bible as the model of education.
“Do not think that I have come to abolish the Law or the Prophets; I have not come to abolish them but to fulfill them. For truly I tell you, until heaven and earth disappear, not the smallest letter, not the least stroke of a pen, will by any means disappear from the Law until everything is accomplished. …” (Matthew 5: 17-18)

***

Clique para ler

Clique para ler

Pode a lei ser uma força modeladora nas sociedades democráticas?

O Estado de Direito ou nomocracia é, de facto, a força modeladora de uma sociedade democrática. Como seria possível um povo governar-se a si mesmo sem um conjunto de regras?
O Estado de Direito é aquilo que legitima a democracia, ainda que “a legitimidade, em e por si mesma, possa ser associada com muitas formas de organização política, incluindo algumas opressivas.” (S. M. Lipset, O Homem Político, cap. 3). “Nós somos todos servos das leis de modo a podermos ser livres.” (Cícero). Sócrates morreu por causa do seu “amor” pela lei (veja aqui – ou, melhor, leia o seu diálogo com Críton.)
Contudo, a lei pode ser injusta e pode ter-se que desobedecer-lhe ou combatê-la por essa mesma razão (como afirmou Henri Thoreau). Mas assim é preciso ter uma lei, qualquer lei, para se poder desobedecer-lhe.

Nenhuma comunidade, sociedade ou nação pode existir e sobreviver sem um conjunto de leis. Nas formigas e nas abelhas Deus increveu essas regras no seu próprio ADN. À humanidade Ele deu liberdade de escolha, pelo que os grupos humanos devem acordar num conjunto de regras (ou viver como uma alcateia de lobos sob o domínio do mais forte).
Quando se tem um povo que se governa através de um conjunto de leis justas, aí se tem uma democracia. A democracia pode tomar muitas formas (participativa, deliberativa, delegativa, directa, …) mas o mundo actual usa apenas a forma mais disjunctiva de todas, a democracia partidária (a qual reduz a participação política da maioria da população a um voto de 4 em 4 ou 5 em 5 anos, num indivíduas que ela nem sequer conhece).
Para serem instrumentos de justiça (pessoal, social, económica, etc) as leis devem preencher algumas condições fundamentais, as 3 mais básicas das quais são, afirmo, essas leis serem simples, poucas e de aplicação universal (como explico aqui).

Pode um povo ignorante governar em democracia?

A resposta é, não pode. É aqui que a educação entra em cena. Primeiro, o povo deve estar ciente das suas leis ou, pelo menos, da cultura e tradições que suportam essas leis. Segundo, o povo deve saber como, e estar pronto para, mudar as leis que já não lhe são úteis e para criar as novas leis que são necessárias em face de novos desafia e condições.
E, como pode o povo conhecer as suas leis e tradições? Fazendo (com as necessárias adaptações ao tempo presente) aquilo que os Hebreus fizeram quando foram autorizados a voltar a Jerusalém após o cativeiro na Pérsia, tal como está descrito nos livros de Esdras e Neemias, e pedir a um dos seus líderes (Esdras) para trazer o livro da lei e da tradição (o livro da lei de Moisés) para a(s) assembleia(s) e lê-lo publicamente.

Seria mesmo possível para uma ou várias nações contemporâneas usarem a (lei dentro da) Bíblia como modelo de educação?

E a resposta será, muito provavelmente, não. Não com aqueles textos impregnados de uma certa cultura, de um certo tempo e lugar.
Mas, se esses textos, essas leis, tiverem sido personificadas e puderem, dessa maneira ser demonstradas por um Mestre? Para responder a esta questão use-se, por exemplo, a história do encontro do jovem Xenofonte com Sócrates, o filósofo grego, tal como é contada por Diógenes. Xenofonte era um jovem ateniense muito reservado e formoso. Um dia Sócrates encontrou-o num corredor estreito e bloqueou-lhe a passagem com o bordão. Perguntou então ao jovem onde se podia encontrar as coisas úteis da vida. Xenofonte respondeu. Logo a seguir o velho filósofo perguntou se Xenofonte sabia onde se faziam as pessoas de bem, confundindo-o. Então, o mestre filósofo disse ao jovem Xenofonte: “Vem comigo e sabê-lo-ás” – e ele seguiu Sócrates tornando-se seu discípulo.

Da mesma forma, é por seguir o Mestre Jesus Cristo, a sabedoria personificada por assim dizer, que um homem, uma nação, todas as nações serão capazes de usar as leis da Bíblia como modelo educacional.
“«Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas. Não vim revogá-los, mas levá-los à perfeição. Porque em verdade vos digo: Até que passem o céu e a terra, não passará um só jota ou um só ápice da Lei, sem que tudo se cumpra. …” (Mateus 5: 17-18)

Filed under: autor: José, cristianismo, democracia, fundamentais, livros, , , ,

O legislador só pode ser o povo.

… o poder legislativo ou a primeira e verdadeira origem da lei é o povo, isto é, o conjunto dos cidadãos, ou a sua maioria, expressando a sua escolha ou a sua vontade no seio da assembleia geral por votação…
Marsílio de Pádua, Defensor Pacis, 1324

… the law-making power or the first and real effective source of law is the people or the body of citizens or the prevailing part of the people according to its election or its will expressed in general convention by vote…
Marsilius of Padua, from Defensor Pacis, 1324

Filed under: cristianismo, democracia, fundamentais, livros, traduções, , , , ,

A verdadeira democracia.

… O procedimento que seguimos é o da verdadeira democracia. [A semidemocracia aceita a ditadura de uma maioria ao estabelecer as suas arbitrárias, logo antinaturais, leis.] A verdadeira democracia descobre através da experimentação paciente e do reconhecimento unânime quais poderão ser as leis da natureza ou do universo mais eficazes no apoio físico e satisfação metafísica da função do intelecto humano no universo.

Buckminster Fuller, Manual de Instruções Para a Nave Espacial Terra, ed. Via Óptima (p. 51, 2.ª ed.), Porto, 1998 [tradução completada por mim a partir do texto original em inglês, em baixo]

… The procedure we are pursuing is that of true democracy. Semi-democracy accepts the dictatorship of a majority in establishing its arbitrary, ergo, unnatural, laws. True democracy discovers by patient experiment and unanimous acknowledgement what the laws of nature or universe may be for the physical support and metaphysical satisfaction of the human intellect’s function in universe.

Buckminster Fuller, Operating Manual for Spaceship Earth, (text only, from Design Science Lab Resources, p. 27)

Montreal Biosphere - Buckminster FullerR. Buckminster Fuller, de nome completo Richard Buckminster Fuller (nasceu em 12 de Julho de 1985 em Milton, Massachusetts, e morreu em 1 de Julho de 1983 em Los Angeles), [é o] engenheiro e arquitecto norte-americano que  desenvolveu a [construção da] cúpula geodésica, a única grande cúpula que pode ser montada directamente a partir do chão como uma estrutura completa e o único tipo de edifício que não tem, na prática, quaisquer limites dimensionais (i.e., para além dos quais a resistência estrutural pudesse ser insuficiente). Uma de entre as mais notáveis cúpulas geodésicas [do mundo] é o pavilhão dos Estados Unidos [da América] para a Expo 67 em Montreal. Poeta e filósofo também, ele [Fuller] foi famoso pelas suas ideas pouco ortodoxas quanto a questões globais.
(translated on-the-fly from here)

Biography, on the Buckminster Fuller Institute site.
Nota bibliográfica em português do Brasil, na Wikipedia.

Filed under: democracia, economia, livros, , , ,

O indiferente político é um cidadão inútil.

'Indiferença em Política' por Antero de QuentalO cidadão inútil perde o direito de viver em democracia.

… O nosso governo chama-se democracia, porque a administração serve aos interesses da maioria e não de uma minoria. … Nós consideramos o cidadão que se mostra estranho ou indiferente à política como um inútil à sociedade e à República. …
O Portal da História: Adriano Moreira, “Ideal Democrático, O Discurso de Péricles”, Legado Político do Ocidente (O Homem e o Estado), 3.ª ed., Estratégia, vol. VIII, 1995, págs. 15-31

administration favours the many instead of the few; this is why it is called a democracy. … our ordinary citizens, though occupied with the pursuits of industry, are still fair judges of public matters; for, unlike any other nation, regarding him who takes no part in these duties not as unambitious but as useless
Ancient History Sourcebook: Thucydides (c.460/455-c.399 BCE): Pericles’ Funeral Oration from the Peloponnesian War (Book 2.34-46)

Filed under: cidadania, democracia, duas ou três linhas, fundamentais, livros, pensamentos, , , , ,

O despertar dos bispos para a democracia.

Aqueles que dão conselhos não deveriam começar por dar o exemplo? (clique na imagem ao lado para aceder ao livro cuja capa representa)


Esta terça-feira, em declarações à RR, o bispo da Guarda, D. Manuel Felício, lamentava que o país esteja “parado” e apelava à necessidade de uma “democracia participativa”, considerando que “o grande capital com que se há-de construir o futuro do país não vem dos bancos, mas sim das pessoas”.

Portugal: Crise política vai «agravar sofrimento» dos mais desfavorecidos
publicado em 23-Mar-2011 na Agência Ecclesia


É urgente uma verdadeira Democracia, que pressupõe um debate consistente, sendo esta a postura certa no contexto social e político que vivemos, diz o bispo do Porto.

D. Manuel Clemente diz que é urgente uma verdadeira democracia
Publicado em 16-04-2011 na Renascença Notícias

Filed under: cidadania, conhecimento, cristianismo, livros, , , , , ,

O valor acrescentado de votar.(3)


Cidadãos a favor de aumentos de determinados impostos
No debate sobre o potencial e as limitações da democracia directa é frequente argumentar-se – especialmente fora da Suíça – que o público em geral é incapaz de equilibrar custos (a curto prazo) com benefícios (a longo prazo) no que diz respeito às finanças públicas. A experiência suíça contradiz esta argumentação, não apenas nos cantões e municípios, onde as pessoas têm uma relação mais próxima com os assuntos políticos, mas também ao nível federal.

Só o dinheiro não chega
Do ponto de vista da Economia não há, portanto, virtualmente, quaisquer argumentos contra a democracia directa. É sim o caso de uma forma de fazer política baseada no princípio do consenso, na qual os cidadãos têm uma influência directa na tomada de decisões em questões de fundo, que produz resultados muito mais pragmáticos do que a reacção reflexa habitual em democracias exclusivamente parlamentares, onde a resposta é frequentemente excessiva e tem que ser emendada mais tarde com grande custo. …

(excertos da tradução do cap. 9 do Giduebook to Direct Democracy, edição 2008, Initiative & Referendum Institute Europe)

Filed under: autor: José, cidadania, democracia, fundamentais, livros, traduções, , ,

O valor acrescentado de votar.(2)


Os economistas [da Universidade] de St. Gallen, Gebhard Kirchgässner e Lars Feld – que é agora professor na Universidade alemã de Heidelberg –, usando uma ampla base de dados que incluía pesquisas anteriores, fizeram uma análise estatística da influência da democracia directa sobre o crescimento económico. Os resultados foram surpreendentes:
1. Nos cantões com direitos de participação mais fortes nos assuntos financeiros o desempenho económico é 15% maior (em termos de PNB por habitante).
2. Nos cantões onde os cidadãos podem votar o orçamento há menos 30% de fuga aos impostos – 1500 francos suíços em média por cada contribuinte. A dívida cantonal é por isso mais baixa. A explicação possível: as pessoas estão mais preparadas para suportar a despesa pública quando estão envolvidas na decisão sobre como o seu dinheiro é gasto.
3. Nos municípios onde o orçamento tem que ser aprovado por referendo a despesa pública é 10% mais baixa por habitante do que nos lugares onde os residentes não têm esses direitos. Parece que os cidadãos são mais cuidadosos com o dinheiro que lhes é retirado pelos impostos do que os políticos.
4. Os municípios que têm referendo financeiro apresentam uma dívida pública 25% mais baixa (5800 francos suíços por contribuinte) – que é o resultado directo de menor despesa e maior rendimento fiscal.
5. Os serviços públicos custam menos nas cidades com democracia directa [na sua administração]: a recolha de lixos é quase 20% mais barata.

O professor Kirchgässer e os seus colegas concluíram: “Em termos económicos, tudo é a favor da democracia directa – nada é contra.” …

(excertos da tradução do cap. 9 do Giduebook to Direct Democracy, edição 2008, Initiative & Referendum Institute Europe)

Filed under: autor: José, cidadania, democracia, fundamentais, livros, traduções, , ,

O valor acrescentado de votar.(1)

Dando seguimento à tradução do Guidebook to Direct Democracy (Guia para a Democracia Directa), cujo início foi aqui anunciado, encontra-se a partir desta data disponível o texto completo em português do capítulo 9, intitulado O valor acrescentado de votar, numa página com idêntico título acessível a partir de um linque colocado sob Páginas na barra lateral interior deste blogue.

Neste capítulo é inequivocamente demonstrada a grande mais valia da democracia semi-directa para o êxito da Economia suíça. Um tema certamente do maior interesse para todos os cidadãos deste país que se encontra actualmente numa aflitiva paralisia económica e à beira da ruptura das finanças públicas.

Transcreve-se a seguir o pequeno resumo introdutório do referido capítulo 9.

O valor acrescentado de votar

Durante muitos anos a democracia directa foi acusada de travar o progresso económico. É sabido agora que as iniciativas de cidadania e os referendos promovem o crescimento económico, reforçam a sociedade e ajudam, por isso, a tornar as pessoas mais satisfeitas. Um sistema no qual os cidadãos têm uma influência directa no tomar das decisões mais importantes produz resultados muito mais pragmáticos e eficientes em termos de custos do que uma democracia puramente parlamentar, na qual os grupos económicos mais poderosos podem concretizar os seus interesses particulares com mais facilidade e à custa do interesse público.

No debate sobre o potencial e as limitações da democracia directa é frequentemente argumentado que o público em geral é incapaz de equilibrar custos (a curto prazo) com benefícios (a longo prazo) no que diz respeito às finanças públicas. A experiência suíça contradiz esta argumentação.

Filed under: autor: José, cidadania, democracia, fundamentais, livros, traduções, , ,

O mito do cidadão incompetente.(5)


“Aprendendo pelo fazer”

Matthias Benz e Alois Stutzer, dois cientistas políticos da Universidade de Zurique, mostraram que os cidadãos que têm maiores direitos de participação estão também melhor informados politicamente. Os direitos de referendo e iniciativa popular ao dispor dos cidadãos suíços dão-lhes um poder de decisão que é independente do governo e que lhes permite, não só objectar e resistir, mas também participar construtivamente na formação do Estado e da sociedade, e de ultrapassar os entupimentos dentro do sistema representativo. Os procedimentos democráticos directos dão poder aos eleitores e servem (em conjunto com o federalismo e a representação proporcional) como mecanismos de partilha de poder. Isto é especialmente importante para aquelas minorias cujos interesses estão inadequadamente representados, ou mesmo não representados, através dos órgãos representativos, isto é, o governo e o parlamento.

A democracia directa dá ao cidadão possibilidades adicionais de fazer propostas e de ter controle político, independentemente dos desejos do governo ou do parlamento. Está, por isso, melhor equipada para assegurar que “as mentiras são expostas e os contratos respeitados, o favoritismo prevenido e as emergências atendidas”. Isto edifica a confiança mútua entre os cidadãos e ajuda a fortalecer a coesão social. Em resumo, a democracia directa é também uma maneira institucional de criar confiança política entre os cidadãos. Faz parte daquelas instituições básicas cujo vital “reforço e defesa” constitui, segundo Claus Offe, um “desafio para a democracia e a pré-condição para a continuação da sua existência”.

(excertos da tradução do cap. 7 do Giduebook to Direct Democracy, edição 2008, Initiative & Referendum Institute Europe)

Filed under: autor: José, cidadania, democracia, fundamentais, livros, traduções, , ,

Copie e divulgue p.f.

Logo DD-VC

.

Acção imediata - LER e ASSINAR

Outubro 2017
D S T Q Q S S
« Set    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Livros

Clique para descarregar

Clique para descarregar (NOVO)

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

clique para descarregar

clique para descarregar

Outros livros

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar

Clique para descarregar (NOVO)